Saiba mais

Pronto Atendimento

Conheça a classificação de prioridade do nosso Pronto Atendimento:

Emergência

Pacientes cujo atendimento não pode aguardar. O atendimento precisa ser imediato.

Muito urgente

Pacientes que precisam ser atendidos o mais rápido possível. Atendimento em aproximadamente 10 min.

Urgente

Pacientes com necessidade de atendimento rápido, mas que podem aguardar. Atendimento em aproximadamente 30 min.

Pouco urgente

Pacientes que podem aguardar atendimento por algum tempo. Atendimento em aproximadamente 90 min.

Não urgente

Pacientes que podem aguardar ou procurar atendimento eletivo. Atendimento sem estimativa aproximada de tempo.

Pacientes em estado de emergência têm prioridade e poderão passar na frente de outros pacientes que estão na fila de atendimento.

O Pronto Atendimento é um serviço exclusivo de emergência. Por isso, não realizamos:

  • Atendimentos eletivos, como investigação de queixas crônicas.
  • Emissão de atestados e exames físicos para concursos e atividades físicas.
  • Prescrição de medicamentos controlados para uso contínuo.
  • Testes de gravidez.
Saiba mais

Pronto Atendimento

Conheça a classificação de prioridade do nosso Pronto Atendimento:

Emergência

Pacientes cujo atendimento não pode aguardar. O atendimento precisa ser imediato.

Muito urgente

Pacientes que precisam ser atendidos o mais rápido possível. Atendimento em aproximadamente 10 min.

Urgente

Pacientes com necessidade de atendimento rápido, mas que podem aguardar. Atendimento em aproximadamente 30 min.

Pouco urgente

Pacientes que podem aguardar atendimento por algum tempo. Atendimento em aproximadamente 90 min.

Não urgente

Pacientes que podem aguardar ou procurar atendimento eletivo. Atendimento sem estimativa aproximada de tempo.

Pacientes em estado de emergência têm prioridade e poderão passar na frente de outros pacientes que estão na fila de atendimento.

O Pronto Atendimento é um serviço exclusivo de emergência. Por isso, não realizamos:

  • Atendimentos eletivos, como investigação de queixas crônicas.
  • Emissão de atestados e exames físicos para concursos e atividades físicas.
  • Prescrição de medicamentos controlados para uso contínuo.
  • Testes de gravidez.

Vacinação contra dengue: esclareça suas dúvidas e saiba mais sobre imunização

Governo Federal vai distribuir doses para 16 estados brasileiros, priorizando cidades com alta transmissão da doença.

Cidades com mais de 100 mil habitantes e alta transmissão de dengue receberão as primeiras doses da vacina contra a doença, fornecidas pelo Ministério da Saúde. A imunização terá início em fevereiro e será destinada a crianças com idade entre 10 e 14 anos. Segundo a pasta, esse é o público que concentra o segundo maior número de internações, logo após os idosos.

No total, 521 cidades, distribuídas em 16 estados brasileiros e no Distrito Federal (Acre, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins), receberão doses da vacinas.

A médica infectologista do Hospital São Marcelino Champagnat, Camila Ahrens, destaca a importância da campanha de vacinação no Sistema Único de Saúde (SUS): “A ação do governo é fundamental para controlar a disseminação da doença, especialmente em regiões com alta transmissão. A imunização em larga escala contribui para a redução do número de casos e complicações relacionadas à dengue”.

Em 2023, os casos de dengue aumentaram 15,8% em comparação com 2022, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Foram confirmados 1,6 milhão de casos, em comparação com 1,3 milhão no ano anterior. Além disso, ainda em 2023, o país registrou o maior número de mortes por dengue em um único ano, com 1.079 óbitos confirmados até 27 de dezembro.

Vacina em idosos
Apesar de serem considerados um grupo de risco, a vacina contra a dengue não será disponibilizada para idosos. A imunização não é indicada para esse grupo devido a complicações relacionadas à idade. “O sistema imunológico dessas pessoas pode não responder tão eficientemente à vacina. Além disso, estudos mostram que a imunização em idosos pode aumentar o risco de manifestações graves da doença”, complementa a infectologista.

Vale a pena vacinar na rede particular?

Como a campanha de vacinação no SUS será disponibilizada apenas para crianças entre 10 e 14 anos, pessoas de outra faixa etária só serão imunizadas se recorrerem à rede particular de saúde. Os preços variam de acordo com o estabelecimento, mas, em média, as doses custam de 350 a 500 reais cada. São necessárias duas doses para a imunização completa.

A infectologista recomenda a vacinação na rede particular para aqueles que podem arcar com os custos. “A prevenção individual contribui não apenas para a saúde pessoal, mas também para a diminuição da transmissão da doença na comunidade. O Brasil teve um aumento expressivo de casos nos últimos meses, e a prevenção é a melhor decisão. A escolha de buscar a vacinação particular deve ser baseada na avaliação do risco individual e na capacidade de investimento”, finaliza.

Compartilhe nosso post!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Médicos elaboram guia de atendimento emergencial para pacientes bariátricos

Mulheres enfrentam maior risco de lesões em joelhos na prática de esporte

Covid longa: quatro anos depois, pacientes infectados no início da pandemia mantêm acompanhamento constante

País tropical: identidade nacional ou risco à saúde?