Saiba mais

Pronto Atendimento

Conheça a classificação de prioridade do nosso Pronto Atendimento:

Emergência

Pacientes cujo atendimento não pode aguardar. O atendimento precisa ser imediato.

Muito urgente

Pacientes que precisam ser atendidos o mais rápido possível. Atendimento em aproximadamente 10 min.

Urgente

Pacientes com necessidade de atendimento rápido, mas que podem aguardar. Atendimento em aproximadamente 30 min.

Pouco urgente

Pacientes que podem aguardar atendimento por algum tempo. Atendimento em aproximadamente 90 min.

Não urgente

Pacientes que podem aguardar ou procurar atendimento eletivo. Atendimento sem estimativa aproximada de tempo.

Pacientes em estado de emergência têm prioridade e poderão passar na frente de outros pacientes que estão na fila de atendimento.

O Pronto Atendimento é um serviço exclusivo de emergência. Por isso, não realizamos:

  • Atendimentos eletivos, como investigação de queixas crônicas.
  • Emissão de atestados e exames físicos para concursos e atividades físicas.
  • Prescrição de medicamentos controlados para uso contínuo.
  • Testes de gravidez.
Tempo de Espera
Saiba mais

Pronto Atendimento

Conheça a classificação de prioridade do nosso Pronto Atendimento:

Emergência

Pacientes cujo atendimento não pode aguardar. O atendimento precisa ser imediato.

Muito urgente

Pacientes que precisam ser atendidos o mais rápido possível. Atendimento em aproximadamente 10 min.

Urgente

Pacientes com necessidade de atendimento rápido, mas que podem aguardar. Atendimento em aproximadamente 30 min.

Pouco urgente

Pacientes que podem aguardar atendimento por algum tempo. Atendimento em aproximadamente 90 min.

Não urgente

Pacientes que podem aguardar ou procurar atendimento eletivo. Atendimento sem estimativa aproximada de tempo.

Pacientes em estado de emergência têm prioridade e poderão passar na frente de outros pacientes que estão na fila de atendimento.

O Pronto Atendimento é um serviço exclusivo de emergência. Por isso, não realizamos:

  • Atendimentos eletivos, como investigação de queixas crônicas.
  • Emissão de atestados e exames físicos para concursos e atividades físicas.
  • Prescrição de medicamentos controlados para uso contínuo.
  • Testes de gravidez.

A obesidade como fator de risco para as pessoas com coronavírus

Desde o início da pandemia de coronavírus, muitos especialistas têm alertado que os pacientes com condições crônicas pré-existentes apresentam versões mais graves da COVID-19.

Assim como hipertensão e diabetes, por exemplo, a obesidade é considerada um fator de risco para o agravamento da doença, que pode se desenvolver para insuficiência respiratória e outras complicações.

A obesidade é uma doença crônica que afeta grande parte da população brasileira. De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018, atualmente 55% dos brasileiros estão com excesso de peso e aproximadamente 20% estão obesos.

Além disso, em geral esta condição está relacionada a outras doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e respiratórias – comorbidades que também estão associadas a uma forma mais grave da COVID-19.

Nesse cenário, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde em abril, a obesidade estava mais presente nos óbitos de pessoas com menos de 60 anos do que em idosos, ou seja, pessoas que não são consideradas parte do grupo de risco.

Por que a obesidade é um fator de risco para a COVID-19?

A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura no corpo e o diagnóstico é feito a partir do cálculo do índice de massa corporal (IMC) do indivíduo. Este valor é calculado dividindo-se o peso do paciente (em quilos) pela sua altura (em metros) elevada ao quadrado. 

Assim, a doença é classificada em três estágios: grau 1 (IMC entre 25,0 e 29,9 kg/m²), grau II (IMC entre 30,0 e 39,9 kg/m²) e grau III (IMC maior do que 40,0 kg/m²), o estágio mais grave. 

Por ser considerada uma doença crônica e devido aos altos índices de prevalência no mundo, a preocupação com esta condição se intensificou ainda mais durante a pandemia. A obesidade como fator de risco para a COVID-19 foi apontada por dois estudos, um na França e outro nos Estados Unidos. De acordo com os pesquisadores, o principal motivo para as complicações da doença em pacientes obesos é o processo inflamatório crônico causado pelo excesso de peso.

Com isso, as células deixam de executar sua função de proteção, o que facilita o ataque de vírus e bactérias. Este fator também leva à formação de coágulos que geram quadros de trombose e embolia pulmonar, que podem ser fatais em pacientes com COVID-19.

Além disso, a obesidade também fragiliza o sistema imunológico e reduz a produção de proteínas essenciais para combater possíveis infecções. Em alguns pacientes, o excesso de peso pode ainda prejudicar a capacidade respiratória, altamente atingida pelo coronavírus.

Como prevenir a obesidade em quarentena

Para prevenir a disseminação do coronavírus é importante lavar as mãos e manter o distanciamento social, entre outras medidas que devem ser adotadas por todos. No entanto, pessoas com doenças crônicas precisam tomar alguns cuidados extras devido ao seu sistema imunológico mais debilitado.

Para isso, ter uma alimentação saudável, rica em frutas, verduras e legumes, é essencial para manter a imunidade alta. Evitar o consumo de alimentos ultraprocessados contribui não apenas para a prevenção da obesidade, hipertensão e diabetes, mas também para controlar essas condições pré-existentes.

Criar uma rotina de exercícios físicos, mesmo em casa, é outro fator necessário para melhorar a saúde e evitar o sedentarismo, principalmente para as pessoas que estão trabalhando remotamente. 

Além disso, as pessoas com outras doenças crônicas além da obesidade devem mantê-las controladas e seguir dietas balanceadas. 

Assim como outros pacientes do grupo de risco, é importante que os obesos mantenham as vacinas em dia, principalmente contra gripe e pneumonia, para prevenir o surgimento de outras infecções.

Hospital Marcelino Champagnat

Desde o início da pandemia de COVID-19, o Hospital Marcelino Champagnat adotou uma série de medidas para garantir o atendimento de todos os pacientes e evitar a disseminação do coronavírus. 

Foi criado o serviço de telemedicina para orientar a população com sintomas respiratórios, além de mudanças na infraestrutura do hospital para atender às pessoas com o vírus. Dessa forma, os demais pacientes podem continuar sendo atendidos sem correr o risco de contaminação.

Para saber mais sobre a obesidade como fator de risco para a COVID-19, doença causada pelo coronavírus, continue acompanhando o site e as redes sociais do Hospital Marcelino Champagnat.

Compartilhe nosso post!

Combustível para salvar vidas: doações de sangue são essenciais para manter sistema de saúde 

V Congresso Internacional Ibero-Americano de Bioética acontece em Curitiba 

Higienização das mãos: um dos pilares da segurança para o paciente

Hospitais de Curitiba recebem prêmio de excelência em saúde

O Hospital passa a se chamar São Marcelino Champagnat

Novo equipamento faz mapeamento do coração em 3D que oferece maior precisão. Hospital Marcelino Champagnat é o único do Paraná a dispor dessa tecnologia.
O evento terá duração de três dias, finalizando em 11 de março. A última edição aconteceu em formato on-line e, por isso, as datas mencionadas marcam o retorno presencial do Congresso, que dessa vez será em São Paulo – SP.
A arritmia cardíaca é uma condição caracterizada pela falta de ritmo nos batimentos do coração. Ela pode ser sintoma de algum problema (físico ou psicológico) para o organismo ou fruto de um desequilíbrio do próprio órgão.
Nova regra da Fifa prevê retirada do jogador da partida após pancada na cabeça; 13% das contusões graves do Mundial de 2018 foram de choques na cabeça e região cervical
Você conhece as causas do esquecimento e quando é o momento ideal para procurar um neurologista? Saiba já com nosso especialista.
Câncer de próstata levou a 44 mortes diárias de brasileiros em 2021, mas doença não é a única que recebe diagnóstico tardio pela falta de acompanhamento médico dos homens
Ex-técnico da Seleção Brasileira de Futebol, Felipão, faz palestra nos hospitais Universitário Cajuru e Marcelino Champagnat.
Estudos indicam que casos de demência podem triplicar até 2050; esquecimento nem sempre está presente entre os primeiros sintomas da doença
Confira os sintomas e situações que são indicativos para a busca do Pronto Atendimento do Hospital Marcelino Champagnat
Recomendado é fazer uma consulta antes da viagem e providenciar receitas médicas em inglês para não passar apertos
Procedimento pioneiro no Paraná foi realizado no Hospital Marcelino Champagnat e é indicado para pacientes com alto risco cirúrgico
Resistência a antibióticos pode levar à morte de 10 milhões de pessoas por ano a partir de 2050
Apesar de menos nocivo que o cigarro comum, dispositivo oferece risco de infarto e doenças pulmonares
Casados há 64 anos, Izan e Albanita ficaram 12 dias separados; melhora foi significativa após equipe de saúde unir os dois
30% das pessoas que sofrem de hipertensão desconhecem o diagnóstico por falta de sintomas
Número de testes caiu durante a pandemia; tratamento garante qualidade de vida, mas preconceito contra infectados ainda é grande
Continuaremos trabalhando arduamente para o retorno à normalidade