Saiba mais

Pronto Atendimento

Conheça a classificação de prioridade do nosso Pronto Atendimento:

Emergência

Pacientes cujo atendimento não pode aguardar. O atendimento precisa ser imediato.

Muito urgente

Pacientes que precisam ser atendidos o mais rápido possível. Atendimento em aproximadamente 10 min.

Urgente

Pacientes com necessidade de atendimento rápido, mas que podem aguardar. Atendimento em aproximadamente 30 min.

Pouco urgente

Pacientes que podem aguardar atendimento por algum tempo. Atendimento em aproximadamente 90 min.

Não urgente

Pacientes que podem aguardar ou procurar atendimento eletivo. Atendimento sem estimativa aproximada de tempo.

Pacientes em estado de emergência têm prioridade e poderão passar na frente de outros pacientes que estão na fila de atendimento.

O Pronto Atendimento é um serviço exclusivo de emergência. Por isso, não realizamos:

  • Atendimentos eletivos, como investigação de queixas crônicas.
  • Emissão de atestados e exames físicos para concursos e atividades físicas.
  • Prescrição de medicamentos controlados para uso contínuo.
  • Testes de gravidez.
Tempo de Espera
Saiba mais

Pronto Atendimento

Conheça a classificação de prioridade do nosso Pronto Atendimento:

Emergência

Pacientes cujo atendimento não pode aguardar. O atendimento precisa ser imediato.

Muito urgente

Pacientes que precisam ser atendidos o mais rápido possível. Atendimento em aproximadamente 10 min.

Urgente

Pacientes com necessidade de atendimento rápido, mas que podem aguardar. Atendimento em aproximadamente 30 min.

Pouco urgente

Pacientes que podem aguardar atendimento por algum tempo. Atendimento em aproximadamente 90 min.

Não urgente

Pacientes que podem aguardar ou procurar atendimento eletivo. Atendimento sem estimativa aproximada de tempo.

Pacientes em estado de emergência têm prioridade e poderão passar na frente de outros pacientes que estão na fila de atendimento.

O Pronto Atendimento é um serviço exclusivo de emergência. Por isso, não realizamos:

  • Atendimentos eletivos, como investigação de queixas crônicas.
  • Emissão de atestados e exames físicos para concursos e atividades físicas.
  • Prescrição de medicamentos controlados para uso contínuo.
  • Testes de gravidez.

Hospital chega a 2 mil vidas salvas da covid desde início da pandemia

A cada alta hospitalar, uma história de superação, aprendizado e ânimo para profissionais, pacientes e famílias

“A melhor coisa que aconteceu neste ano para mim foi voltar para casa e encontrar minha família”. Esse é o depoimento de Wenillton de Paula Cavalheiro, 63 anos, que passou cinco meses internado no Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba (PR), para se recuperar das complicações da covid-19. Assim como ele, outras 2 mil pessoas internadas na instituição devido ao coronavírus venceram a doença e puderam voltar para suas famílias desde o início da pandemia.

“Cada vez que acompanhamos uma alta e vemos o encontro do paciente com a família, é uma sensação indescritível, de que estamos vencendo os desafios impostos pela pandemia”, explica o médico intensivista e coordenador médico das UTIs, Jarbas da Silva Motta Junior. O hospital foi o primeiro a receber pacientes graves com covid-19 no estado do Paraná, com a internação do médico do SUS Jamal Munir Bark. Sem doenças prévias, ele deu entrada no dia 19 de março de 2020, quando acabou sendo intubado. Foram 40 dias na UTI e 10 na unidade de internação do hospital.

Após esse período, o médico precisou de 90 dias de fisioterapia domiciliar para então voltar ao trabalho e se tornou um símbolo da luta contra a doença. “Sentia muita fraqueza e tinha muito medo de não conseguir andar mais, devido à perda da massa muscular. É muito difícil passar por todo esse processo e sem o acompanhamento multidisciplinar seria ainda mais complicado”, ressalta Jamal. “A doença é única para cada paciente e, nesses quase 18 meses da covid-19, precisamos nos adaptar às novas maneiras de cuidado que o vírus impôs, com pacientes muito mais graves e com tempo maior de internação, fazendo com que as pessoas fiquem por meses dentro do hospital para se recuperarem da infecção”, complementa o intensivista Jarbas.

Reestruturação

Para que histórias de sucesso nessa batalha pudessem ser contadas, a palavra de ordem quando a pandemia dava os primeiros sinais de que chegava ao Brasil foi reestruturação. Os hospitais organizaram espaços físicos, construindo novos fluxos para atendimento dos casos suspeitos da covid, separados dos de outras doenças, que não deixaram de existir e não podiam esperar a pandemia passar, como casos de doenças crônicas, AVCs, infartos, urgências e emergências.

Foi necessária uma força-tarefa que uniu profissionais da assistência e de gestão. “Não havia repertório para trabalharmos com a infecção, mas conseguimos nos adaptar de maneira rápida e integrada, graças ao intercâmbio com outras instituições e à experiência trazida por acreditações internacionais de segurança. Foi praticamente criado um novo hospital dentro do que já existia, com investimentos em equipamentos e agilidade para que a estrutura física fosse praticamente dividida em duas, com fluxos totalmente separados e treinamento de toda a equipe em tempo recorde”, conta o diretor geral do Hospital Marcelino Champagnat, José Octávio Leme.

Avanços e descobertas

E as conquistas só foram possíveis graças à rede de intercâmbio de experiências e observações que se formou entre universidades, hospitais, pesquisadores e profissionais de saúde, sem esquecer do papel essencial de pacientes e familiares que se dispuseram a participar dos estudos. Em pouco tempo foram descobertas as diferentes formas como o coronavírus age no organismo e, agora, as pesquisas se voltam às sequelas da doença. “Mais do que nunca, é preciso enxergar as pessoas por trás desses números. Esse talvez seja um dos principais aprendizados da pandemia. Porque são essas pessoas que nos motivam e também tornam possíveis os avanços que tivemos até aqui”, reforça a fisioterapeuta e pesquisadora do Centro de Ensino, Pesquisa e Inovação dos hospitais Marcelino Champagnat e Universitário Cajuru, Cristina Baena.

Compartilhe nosso post!

Sociedade de Endocrinologia recomenda restrição na suplementação de vitamina D 

Combustível para salvar vidas: doações de sangue são essenciais para manter sistema de saúde 

V Congresso Internacional Ibero-Americano de Bioética acontece em Curitiba 

Higienização das mãos: um dos pilares da segurança para o paciente

Hospitais de Curitiba recebem prêmio de excelência em saúde

Você sabia que 40% dos casos de câncer poderiam ser prevenidos evitando fatores de risco?
Novo equipamento faz mapeamento do coração em 3D que oferece maior precisão. Hospital Marcelino Champagnat é o único do Paraná a dispor dessa tecnologia.
O evento terá duração de três dias, finalizando em 11 de março. A última edição aconteceu em formato on-line e, por isso, as datas mencionadas marcam o retorno presencial do Congresso, que dessa vez será em São Paulo – SP.
A arritmia cardíaca é uma condição caracterizada pela falta de ritmo nos batimentos do coração. Ela pode ser sintoma de algum problema (físico ou psicológico) para o organismo ou fruto de um desequilíbrio do próprio órgão.
Nova regra da Fifa prevê retirada do jogador da partida após pancada na cabeça; 13% das contusões graves do Mundial de 2018 foram de choques na cabeça e região cervical
Você conhece as causas do esquecimento e quando é o momento ideal para procurar um neurologista? Saiba já com nosso especialista.
Câncer de próstata levou a 44 mortes diárias de brasileiros em 2021, mas doença não é a única que recebe diagnóstico tardio pela falta de acompanhamento médico dos homens
Ex-técnico da Seleção Brasileira de Futebol, Felipão, faz palestra nos hospitais Universitário Cajuru e Marcelino Champagnat.
Estudos indicam que casos de demência podem triplicar até 2050; esquecimento nem sempre está presente entre os primeiros sintomas da doença
Confira os sintomas e situações que são indicativos para a busca do Pronto Atendimento do Hospital Marcelino Champagnat
Recomendado é fazer uma consulta antes da viagem e providenciar receitas médicas em inglês para não passar apertos
Procedimento pioneiro no Paraná foi realizado no Hospital Marcelino Champagnat e é indicado para pacientes com alto risco cirúrgico
Resistência a antibióticos pode levar à morte de 10 milhões de pessoas por ano a partir de 2050
Apesar de menos nocivo que o cigarro comum, dispositivo oferece risco de infarto e doenças pulmonares
Casados há 64 anos, Izan e Albanita ficaram 12 dias separados; melhora foi significativa após equipe de saúde unir os dois
30% das pessoas que sofrem de hipertensão desconhecem o diagnóstico por falta de sintomas
Número de testes caiu durante a pandemia; tratamento garante qualidade de vida, mas preconceito contra infectados ainda é grande