Pronto Atendimento: Estamos atendendo novos casos

+55 41 3087-7600

Casal de idosos se recupera da covid-19 depois de ser colocado junto em hospital

Casados há 64 anos, Izan e Albanita ficaram 12 dias separados; melhora foi significativa após equipe de saúde unir os dois

“Meu grande amor chegou”. Essa frase marcou o encontro do casal Izan e Albanita Bauer, parceiros de vida há mais de 64 anos. Ele foi internado em um hospital de Curitiba (PR) no dia 25 de abril após sofrer um infarto. No dia 2 de maio, foi transferido para o Hospital Marcelino Champagnat com diagnóstico de covid-19. Cinco dias depois, no aniversário de 87 anos do aposentado, a esposa, que estava em casa, começou a tossir e sentir um cansaço excessivo. Diagnosticada com a mesma doença, ela teve que ser internada e a equipe do hospital providenciou para que os dois ficassem juntos.

“Minha mãe tem Alzheimer e meu pai ficou desesperado quando precisou ser internado. Eles se chamam de namorados até hoje. Mesmo com a demência, minha mãe ficava em casa perguntando onde estava o amor dela, sem consciência da internação. Ele, no hospital, desesperado pela distância”, conta a filha, Patrícia Bauer.

Apesar do susto do diagnóstico dos dois, Patrícia conta que o reencontro foi emocionante e que o pai apresentou melhora visível após ficar perto da esposa. “Eles nunca tinham ficado separados. Os exames do meu pai melhoraram com a minha mãe perto”, complementa.

Humanização

Além de possibilitar que o casal compartilhasse o mesmo quarto, a equipe do hospital juntou as camas, facilitando ainda mais a proximidade entre os dois. A clínica médica Larissa Hermann conta que esta providência simples ajudou a melhorar até a saturação do casal, que estava baixa por conta da infecção da Covid.

“Ele nos disse que foi a melhor noite desde o início da internação porque conseguiu dormir perto da esposa. São esses depoimentos que nos levam a acreditar ainda mais no nosso trabalho”, explica.

“O bem-estar deles e a melhora cognitiva por estarem juntos foi algo bem impactante. E não tem como ser diferente aqui dentro; essa proximidade dos dois precisava ser continuada”, reforça a psicóloga Ana Campos.

Referência

Desde o início da pandemia da covid-19, o Hospital Marcelino Champagnat foi referência no tratamento de pacientes com a infecção e coleciona momentos emocionantes de superação.

Para que histórias de sucesso em meio a essa batalha pudessem ser contadas, a instituição organizou espaços físicos, construindo novos fluxos para atendimento dos casos suspeitos da covid, separados dos diagnósticos de outras doenças, que não deixaram de existir e não podiam esperar a pandemia passar para serem tratadas, como casos de doenças crônicas, AVCs e infartos. Aliado a isso, profissionais trabalharam incansavelmente no atendimento e nas pesquisas para descobrir a melhor forma de cuidado. Milhares de pacientes foram atendidos, alguns passaram meses internados na UTI ou em leitos clínicos, antes de voltar para casa.

Veja também:

Dor de cabeça é sinal de pressão alta?

Compartilhe nosso post!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Uso do cigarro eletrônico cresce entre jovens e preocupa especialistas de saúde

Grupo Marista unifica direção dos hospitais Universitário Cajuru e Marcelino Champagnat